CAPACITA (EMPREENDEDORISMO)

A sociedade da informação na qual vivemos exige respostas rápidas e sob medida às diferentes expectativas e necessidades de uma sociedade igualmente diversificada.

Nesse contexto, destacamos o ambiente socioeconômico das micro e pequenas empresas e dos potenciais empreendedores. Com uma enorme capacidade de empregar e grande desconcentração geográfica, as micro e pequenas empresas chegam a 99% dos 16 milhões de estabelecimentos formais existentes no país, devendo, portanto, ser uma prioridade para qualquer governante.

A abertura de novos empreendimentos, bem como a saúde e sobrevivência desse contingente de negócios, deve ser uma prioridade, demandando ações cada vez mais inovadoras e concretas. A importância da capacitação na redução da taxa de mortalidade das empresas é comprovada por estudos que demonstram que a experiência não é pré-requisito para a abertura de empresas de sucesso. A capacitação compensa a falta de experiência e reduz o risco na gestão de negócios.

Mas como ajudar o empreendedor a manter-se atualizado e aproveitar as oportunidades que o mercado oferece? As micro e as pequenas empresas enfrentam o desafio de serem inovadoras, de suprir as necessidades dos clientes, reter talentos, implementar processos eficientes e melhorar sua competitividade frente a um mercado já globalizado. Mas ao mesmo tempo, essas empresas têm características, negócios, portes e níveis de maturidade muito distintos. Como um governo pode atuar frente à essa realidade?

O Projeto Capacita MPE, ora apresentado, é uma alternativa inovadora e de baixo custo, que tem por objetivo apoiar entidades públicas nos desafios aqui descritos.

PROJETO COLETA SELETIVA (RECICLANDO SONHOS)

Diante das incertezas econômicas, sociais e ambientais vivenciada pela comunidade, torna-se urgente à intervenção de políticas mais efetivas e eficientes…

… em favor da população, com a implementação de projetos sociais e ambientais que venham a ocupar espaços alternativos para oportunizar principalmente a juventude, oferecendo acesso às informações básicas e a qualificação profissional para sua inclusão social, dentre outras, bemcomo, sensibilizar apopulação local para a preservação ambiental principalmente no que diz respeito aos resíduos sólidos urbanos. Para reduzir consideravelmente a problemática em epígrafe deve-se promover a formação de conhecimento, de atitudes e de habilidades necessárias à preservação e melhoria ambiental e consequentemente da vida. A presente proposta visa a envolver toda a comunidade para debater as questões socioambientais, buscando estratégias para diminuir as agressões ao meio ambiente bem como desenvolver ações que contribuam para a melhoria de renda e de qualidade de vida à comunidade.

PROJETO "DE OLHO NO OLHO"

O Brasil possui cerca de quatro milhões de deficientes visuais e aproximadamente 1,25 milhões de cegos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, existem três graves problemas visuais que podem levar à cegueira: a catarata; a degeneração macular, relacionada à idade e o glaucomaDessas três patologias somente a catarata é reversível mediante cirurgia e o Brasil não chega ao mínimo aceitável de três mil cirurgias por milhão de habitantes/ano, como preconiza a Organização Mundial da Saúde.

A degeneração macular, já afeta cerca de 2,9 milhões de brasileiros acima dos 65 anos. E com o envelhecimento da população, causado pelo aumento da expectativa de vida do brasileiro, esse número tende a crescer de forma importante. Estima-se que existam 900 mil brasileiros com glaucoma. O GLAUCOMA acomete 2% da população acima dos 40 anos e é mais comum entre as pessoas da raça negra, portadores de alta miopia.

Segundo a Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG), 1/3 dos brasileiros com mais de 16 anos de idade nunca foi ao oftalmologista e 54% da população no País não sabe responder adequadamente o que é o glaucoma. O glaucoma é uma doença silenciosa, não emite sinais e, se não houver acompanhamento, quando o indivíduo perceber a doença, a cegueira já será inevitável, pois na maioria dos casos, a doença só é percebida após o desenvolvimento da cegueira.

O glaucoma pode levar o cidadão a uma vida incapacitante, acarretando consequências sociais, psicológicas e econômicas não só para o indivíduo, mas também à sociedade. Mas se for diagnosticado em tempo, pode ser controlado sem causar maiores prejuízos ao doente.

PROJETO “PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NAS ESCOLAS”

A educação é uma prática social efetiva de lutar contra o preconceito, a pobreza, de construir democracias eficientes e sociedades voltadas para uma cultura de paz e inclusão social.

Ela representa um investimento que colabora para o desenvolvimento econômico-social de cidades e comunidades.

O momento educacional tornou-se complexo e as ações pedagógicas desafiadoras, razão pela qual o investimento no capital humano (docente e discente) requer profundas reflexões, desde a formação de princípios e valores à construção de conhecimentos e saberes necessários à sua prática pedagógica e, requisitados pelo cidadão que frequenta a escola.

A promoção da Educação Ambiental começa com a formação dos professores, para que entendam e aprendam a valorizar a natureza e todos seus elementos formadores, conscientizando-se de suas responsabilidades, atuando assim, na transformação de valores nocivos que contribuem para o uso degradante dos bens comuns da humanidade.

Para promover a consciência ecológica urge uma educação ambiental informativa, com enfoque na aquisição de conhecimentos, curricular, em que o meio ambiente se torna um objeto de aprendizado, aliado à leitura crítica da realidade e a reflexão para buscar formas concretas de atuar sobre os problemas ambientais. Envolve também, a educação no meio ambiente – vivencial em que se propicia o contato com a natureza ou com passeios no entorno da escola, da vizinhança e dos pontos significantes enquanto reserva florestal/patrimônio ecológico do município propicio à aprendizagem ambiental.

Exposição de pintores de Boca e Pés

Em 2015, a ONU propôs aos seus países membros uma nova agenda de desenvolvimento sustentável para os próximos 15 anos, a Agenda 2030, composta pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Os 17 ODS buscam assegurar os direitos humanos, acabar com a pobreza, lutar contra a desigualdade e a injustiça, alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento de mulheres e meninas, agir contra as mudanças climáticas, bem como enfrentar outros dos maiores desafios de nossos tempos.

A  exposição de pintores de Boca e Pés não está focada apenas numa exposição de divulgação de conhecimento, mas sim, numa exposição inclusiva que visa mostrar as potencialidades desses artistas que superam seus limites através de seus talentos e da sua arte.

Divulgar os 17 ODS através de artistas plásticos pintores, dando visibilidade aos seus trabalhos e garantir que a inclusão social possa desconstruir a visão limitante que sempre predominou na sociedade.

Av. Rio Branco, 147 / Salas 1101 a 1103 – CEP: 20040-910 – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel.: (21) 99613-3110
E-mail: [email protected]
             [email protected]